09 jul 2020

ANÁLISES DE LEGIONELLA PNEUMOPHILA EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA NO PERÍODO PÓS-QUARENTENA

Durante a quarentena, empresas, escolas, hotéis e indústrias tiveram que reduzir ou até mesmo encerrar suas atividades para o combate da COVID-19. Esta situação deixou os encanamentos dos sistemas de distribuição de água destes edifícios ociosos. Diante disto, a água parada presente nestes encanamentos proporciona um ambiente favorável para o crescimento de uma bactéria, chamada Legionella pneumophila.

Esta bactéria causa a doença dos legionários ou legionelose e é capaz de sobreviver durante meses em água potável de sistemas de abastecimento de água em temperaturas variando entre 20°C a 46°C. Além do mais, a sobrevivência da bactéria oportunista Legionella pneumophila é aumentada pela presença de outras bactérias (como a Pseudomonas aeruginosa), protozoários hospedeiros e pela capacidade destas bactérias em formar biofilmes na superfície dos encanamentos. Nos EUA, cerca de 66% dos surtos de doenças transmitidas pela água potável são causados por bactérias patogênicas, sendo que a Legionella pneumophila  é responsável por 33% destes casos (CDC, EUA, 2007).

Bactéria Legionella pneumophila. Fonte: Blog do Frio (https://blogdofrio.com.br)

Os surtos mais comuns de Legionella pneumophila ocorrem em prédios e instalações com sistemas de distribuição de água mal gerenciados e fora do padrão de regulamentação. Estas bactérias também se propagam em edifícios com sistemas de distribuição onde a água condensada pode se acumular, em torres de resfriamento, em telhados onde a água fica parada, em sistemas ​​de aquecedores de água que são conectados diretamente a torneiras e chuveiros. Contudo, a bactéria Legionella pneumophila também pode ser encontrada em piscinas e banheiras de hidromassagem de academias, clubes, spas, hotéis e centros comunitários que possuem sistemas de distribuição de água parada que podem conter incrustações causadas pela presença desta bactéria. Outros locais onde esta bactéria pode ser encontrada incluem sistemas de água frias e quentes, de água para irrigação, de água para recreação (fontes e chafarizes), de água não potável, de água que geram aerossol e dispersão de água (lavadores de ar, nebulizadores, umidificadores, climatizadores e lavadoras a jato), de água com concentração de cloro menor que 0,2 ppm e de água para serviços de saúde. 

Recentemente no Brasil, a norma ABNT ISO 16824:2000 foi publicada, ela especifica os métodos para gerenciamento de riscos e prevenção da legionelose provenientes de sistemas de distribuição de águas de edifícios industriais, comerciais, de serviços, públicos e residenciais. Estatisticamente, a legionelose é fatal para 1 em cada 10 pessoas no mundo, mas não é transmitida de pessoa para pessoa como a COVID-19. A doença dos legionários é contraída quando as pessoas respiram vapores de água contaminados com bactéria Legionella pneumophila. Os sintomas da legionelose são febre, tosse, dificuldade para respirar e pneumonia e por isso podem ser facilmente confundidos com os da COVID-19. O grupo de risco para a legionelose são fumantes, pessoas doenças pulmonares pré-existentes, pessoas com baixa imunidade e idosos. Um estudo recente, realizado por pesquisadores do Hospital Infantil de Qingdao na China e publicado no jornal The Lancet, verificou que 20% dos pacientes que apresentavam sintomas respiratórios graves da COVID-19, também estavam infectados com a bactéria Legionella pneumophila

Representação 3D de bactérias. Fonte: Oxford Biosystems (https://www.oxfordbiosystems.com)

A COVID-19 pode ser controlada com medidas sanitárias simples, desde a lavagem das mãos até o distanciamento social. No entanto, a propagação da Legionella pneumophila só pode ser evitada com o auxílio de um serviço especializado de inspeções, análises periódicas da bactéria Legionella pneumophila em áreas vulneráveis de sistemas de abastecimentos e procedimentos de descontaminação de acordo com a norma ABNT ISO 16824:2020.

O laboratório do Grupo EP – EP Analítica – realiza a análise  da bactéria Legionella pneumophila em todos os sistemas de água pelo método de substrato enzimático. Desta forma, podemos te ajudar a proteger os funcionários e o público  em geral a retornar rapidamente às atividades pós-quarentena com um menor risco de contaminação por legionelose. 

Karen F. de Oliveira Garcia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Site seguro
×

Olá!

Clique para falar com um de nossos representantes via Whatsapp ( Clique Aqui ) ou se preferir solicite um Orçamento Online (Clicando Aqui)

× Como posso te ajudar?